• Facebook Share Button

Pesquisa revela desafios e tendências para RH em 2017

São Paulo - 27/03/2017

As organizações estão enxergando o mercado de forma mais otimista após dois anos de turbulência

A consultoria organizacional global Korn Ferry, por meio da divisão Hay Group, voltou a campo para produzir a pesquisa anual de Tendências e Práticas de Recursos Humanos. O estudo, que conta com a participação de 309 empresas, expõe os principais desafios, sobretudo dentro da área de RH, nas organizações para o ano de 2017.

Dentro de um cenário econômico brasileiro um pouco menos hostil, o estudo mostra que mais da metade das empresas respondentes (52%) acreditam que as perspectivas macro de negócios serão melhores este ano do que foram em 2016. "Dessas organizações mais otimistas, 60% esperam que os seus faturamentos sejam maiores em relação ao ano passado, mesmo que apresentem crescimento de apenas um dígito", afirma Lucimar Carvalho, gerente da Korn Ferry Hay Group.

A pesquisa apresenta, ainda, que os principais desafios para a área de Recursos Humanos serão atrair, reter e desenvolver talentos com orçamentos cada vez menores. Em 2016, por exemplo, 62% das empresas reduziram seu orçamento em RH. Para esse ano, 71% reportaram que deverão manter ou diminuir os seus orçamentos na área.

"Além disso, 86% das empresas continuam com problemas de atração e retenção nos níveis profissionais e técnicos, o que indica uma falta de mão de obra mais especializada no mercado brasileiro. Em paralelo, ressalta uma cultura, especialmente dentro das organizações brasileiras, de não desenvolver e/ou reter talentos", ressalta Lucimar.

A boa notícia, especialmente para os profissionais, é que apenas 38% das empresas ainda planejam medidas de contenção de custos trabalhistas. Ou seja, diferentemente do que aconteceu em 2016, haverá menos demissões em massa e ajustes em pacotes de benefícios. Além disso, 27% das organizações prometem que aumentarão seus quadros de funcionários para este ano.

Em contrapartida, 25% das empresas analisadas ainda deverão efetuar ajustes em suas estruturas de colaboradores para 2017 - 47% delas diminuíram também em 2016. "Algumas dessas empresas estão dentro de setores que vêm sofrendo um pouco mais por conta da crise, como, por exemplo, os segmentos de construção civil, indústria e serviços", finaliza Lucimar.

Prioridades de Recursos Humanos para 2017

- Treinamento & Desenvolvimento da Liderança: 59%;

- Dimensionamento da Estrutura: 32%;

- Gestão de Desempenho/ Competências: 30%;

- Atração e Retenção: 29%;

- Clima: 26%


Sobre o Estudo

Os dados da pesquisa foram desenhados com a participação de 309 empresas, de capital aberto e fechado, nacionais e estrangeiras (com operação no Brasil) dentro setores de serviços; comércio; engenharia e construção civil; transporte e logística; tecnologia da informação; químico e petroquímico; farmacêutico; consumo; manufatura e máquinas e equipamentos.

Fonte: MUNDO RH